domingo, 28 de junho de 2009

Fruta da burrice

A fera (nome pelo qual carinhosamente passou a ser conhecida a minha viatura) anda numa maré de azar que não tem explicação...
Depois de uma semana inteira no mecânico, a primeira vez que vai para o campo fura um pneu e volta a partir as molas. É claro que não tínhamos o macaco e estávamos em S. José de Bindá (o fim do mundo, muito depois do fim da estrada), e levámos umas boas três horas a mudar o pneu para descobrir que o sobresselente também estava meio furado. Depois de uns bons 25km de caminhos rurais em muito mau estado, estradas esburacadas e, há que reconhecer, o único trecho de estrada em condições na ilha inteira lá conseguimos arrastar a fera até Neves para safar um dos pneus. Neves é a cidade industrial, mas tendo em conta que uns dias antes não havia petróleo na cidade, já foi uma sorte conseguirem tapar um dos furos, para conseguirmos chegar a casa. Ter o trabalho pronto às 10h da manhã para depois demorar 8h para percorrer 65km de estrada é um bocado frustrante, mas mesmo assim foi bom finalmente conseguir chegar...
Já na semana seguinte, assim que volto para trabalho de campo: novo furo! E apesar de já ter macaco, ainda não tinha sobresselente em condições, pelo que tive que arrastar o pneu por uns 2km ao Sol até encontrar o Leonel. E depois uma mota para levar o pneu até Micoló, onde por peripécias várias, demoraram mais de 3h a tapar oS furoS do pneu. Irritado com os pneus sempre a furar, decidi ir para a capital à procura de pneus, não novos mas pelo menos em melhor estado. E assim que paro para ir a uma loja de pneuis usados: novo furo! Tapar furos na cidade sai rápido, mas já sem paciência, decidi deixar um dos pneus furados a tapar e ir para casa. Mais um dia a chegar quase de noite a casa, depois de acabar o trabalho às 10h da manhã. Obviamente que no dia seguinte: novo furo! Que raiva... Lá fui eu comprar um pneu novo, por causa das coisas. E fiquei com um sobresselente em bom estado da Mariana. Para voltar a ter o carro com os pneus mais ou menos em ordem (ainda sem o pneu novo) conseguiram fazer-me perder dois dias!!!! É nestas alturas que o leve leve não cai nada bem.
Sexta-feira consigo finalmente voltar para o trabalho de campo e não ter nenhum furo. Mas para compensar fiquei com o vidro da frente partido. É claro que teve que ser na situação mais absurda. Parei o carro debaixo de uma fruteira com uns 5m de altura para fazer um ponto de contagem de aves e há um parvo de um miúdo (ao qual até tinha prometido boleia, assim que acabasse a contagem) que decide subir à árvore e atirar com a ÚNICA fruta-pão que lá estava ao vidro da frente. Ainda veio falar comigo para explicar o que se passou, mas eu optei por continuar a contagem, para pelo menos não perder o trabalho! E não é que quando chego ao carro o vidro não estava só “estralado”, como ele disse, mas partido. E entretanto ele já se tinha escapado. QUE RAIVA!!!!!!!

É nesta bela figura que se encontra a minha pobre fera. Desgraçado, aproxima-se a passos largos do estado miserável da média do automóvel santomense... Vamos lá ver o que lhe conseguem fazer num fim-de-semana alargado na oficina, que para a semana temos mais trabalho para fazer no escafundó de Ribeira Peixe!

4 comentários:

Sandra disse...

Não sei o que dizer...azar do c*****o!!!! :)

Chihiro disse...

e eu a pensar que tinha mala sorte com os carros...

quando e que voltas ???

Ricardo Lima disse...

O azar parece ter acabado. Uma semana no campo e so tive um furo e o banco do consuctor partido!

E nao choveu numa das partes mais chuvosas da ilha...

Ricardo Lima disse...

Ah, volto dia 17. Ate la e so stressar, para ver se faco aquilo para que aqui vim, e mais umas tarefas extra que fui acumulando!!!